sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Blog do Dante de Oliveira



"Em 1983, encaminhei ao Congresso a PEC nº 5, que acabou conhecida como Emenda Dante de Oliveira e que tinha por objetivo restabelecer eleições diretas para presidente da República. Apesar de derrotada, a proposta ficou famosa por ter dado origem ao movimento das Diretas Já! Tal fato me tornou protagonista de uma das maiores derrotas vividas pelo Brasil nos anos 1980. O outro foi o Paolo Rossi."

O Blog do Dante de Oliveira, aquele mesmo da "Emenda", foi escrito por mim e pelo Vitor Knijnik para o Blogs do Além e para a edição impressa da Carta Capital.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

BLOGS DO ALÉM: Padre José de Anchieta


"Depois de empreitada em São Paulo, fui com Estácio de Sá para o que viria a ser, poucos anos depois, o Rio de Janeiro. Até levei umas pizzas pra lá, mas sempre deixei claro que era pecado comer com ketchup." 

O texto é meu e do Vitor Knijnik para o Blogs do Além e está disponível aqui. 

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

"A bailarina ou Inventário dos guardados na caixinha de música" no Festival Teatro Ziembisnki


O  "A bailarina ou Inventário dos guardados na caixinha de música" é um dos finalistas do II Festival Ziembinski de Esquetes.
A apresentação e o encerramento do festival acontecem na próxima quinta-feira (30/01), no Teatro Ziembisnki (na Tijuca). Os trabalhos serão abertos às 19hs e pra entrar basta levar uma lata ou caixa de leite. Será um prazer ver gente querida por lá.


Sobre o esquete, aqui tem a opinião do crítico Leonardo Simões. Para saber mais sobre a Interferência Teatral, clique aqui.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Pequenas impressões de um lugar (não tão) distante

DSC02252


Passei 30 dias em Portugal, terra dos meus pais. Eu, como tantos outros, carrego a eterna sensação de pertencimento a dois mundos completamente distintos e umbilicalmente ligados. Escrevi sobre as minhas impressões desses dias. O texto foi publicado no Ouro de Tolo e está disponível aqui.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Blog do Anchieta





Esse debate sobre a melhor maneira de agir na região central da cidade já existe há muito tempo. Operação Nova Luz X Operação Braços Abertos é o novo Bandeirantes X Jesuítas. 

Publiquei, em 1595, Arte da gramática da língua mais falada na costa do Brasil. Foi o primeiro livro inteiramente registrado em paulistanês. Nele falo sobre o plural de "pastel" e "chope", os sons das letras "r" e "e" (cariocas, por favor, é "Ê") e que o correto é bolacha, não biscoito.


___________________________

Trecho do Blog do Anchieta. O texto é meu e do Vitor Knijnik e foi publicado na Carta Capital da última sexta-feira. Está disponível aqui.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

"Um pequeno olhar sobre Portugal" no Ouro de Tolo

20131209_203540




"O céu estava azul. Não um azul habitual aos meus olhos. Não o azul do céu azul inconfundível do Rio de Janeiro que vi, novamente, ao desembarcar no Galeão 30 dias depois. E o azul e sol do céu de lá enganavam: fazia frio. Muito frio.

Pela primeira vez, visitava a terra dos meus pais. Ser brasileiro e filho de portugueses, meu caso e de tantos outros, é carregar a eterna sensação de pertencimento a dois mundos completamente distintos e umbilicalmente ligados.

Estava na estação de trem havia dez minutos. Um turista, em Lisboa, tentando, em vão, passar despercebido. Por lá havia uma semana, tentava mimetizar certos comportamentos. Às vezes, porém, o olhar se perdia em tantas cores, tantas coisas, tantas gentes. [...]"

O texto integral está disponível no Ouro de Tolo.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Blog do Adoniran

"Na verdade, como muita gente, tenho antepassados judeus. Os mais atentos devem ter percebido as evidências de minha ligação com a tribo de Israel. Em Saudosa Maloca, por exemplo, eu já fazia uma referência velada ao judaísmo. O verso que brinca com o jeito popular paulistano de falar que diz Dim dim donde nóis passemo os dias feliz de nossas vidaslembra da importância de ter o dim dim para se chegar à felicidade. 

Na canção Tiro ao Álvaro, o trecho Teu olhar mata mais do que bala de carabina/ Que veneno estriquinina/ Que peixeira de baiano... remonta à terrível experiência de se viver sob o jugo dos olhares dos oficiais nazistas.

Outro exemplo está em Trem das Onze. Dessa vez, mais explícito: trata-se de um debate sobre a família judaica. Minha mãe não dorme/ Enquanto eu não chegar é um retrato claro da relação de um filho único com a mãe judia. Essa história de que é uma crítica ao sistema de transporte para as áreas periféricas é papo de professor de geografia de cursinho pré-vestibular."

O texto é meu e do Vitor Knijnik para o Blogs do Além e para a Carta Capital e está disponível em: http://blogsdoalem.com.br/adoniran/.